Horta mandala no tanque de água de chuva

Plantar e colher é possível das mais diferentes formas, até mesmo em cima de cimento! Na permacultura, todo elemento deve ter mais de uma função.  Então decidimos fazer uma horta mandala em cima do nosso tanque de captação de água da chuva.  A ideia foi aproveitar recursos locais e também experimentar cultivar sem terra, utilizando apenas matéria orgânica.  Os passos a seguir podem ser seguidos para canteiros e jardins em diferentes superfícies.

Iniciamos com a superfície da tampa do tanque de água de chuva totalmente vazia.  Ela é circular com um diâmetro de 5 metros.

foto 1

Tampa do tanque de água de chuva antes da instalação da horta mandala.

O primeiro passo foi  a marcação do formato do canteiro de modo que fosse possível passar ao lado da tampa de entrada e também colher pelos dois lados do canteiro.

foto 2

Início da marcação do canteiro.

Cortamos um pedaço de madeira para servir de referência, de modo que houvesse uma largura regular de 80 cm de espaço interno para cultivo.

foto 3

foto 9

O barro molhado e o fio servem para melhor aderir e alinhar os tijolos.

As bordas da horta foram feitas de tijolos reaproveitados e que sobraram de uma obra antiga. O que é lixo para alguns é recurso para nós. Mantemos um lugar especial na Toca da Coruja para guardar aquilo que não serve em um dia e poderá ser um recurso valioso no outro. foto 4

Abaixo, a primeira fiada de tijolos foi assentada.  Colocamos barro molhado por cima para ajudar a mantê-los na posição que desejávamos.  Deixamos duas entradas para facilitar a circulação na mandala. foto 5

Mais duas camadas de tijolos foram colocadas, sempre adicionando entre elas o barro molhado. foto 6 foto 8Detalhe do barro para assentar os tijolos.

foto 9Uma vez montada a estrutura do canteiro, colocamos pedaços de plástico no fundo para evitar o escorrimento da água a ser usada na irrigação.  Em cima do plástico, colocamos uma fina camada de terra (cerca de 5 cm) para potencializar a absorção da água. Em seguida,  cobrimos com folhas secas coletadas na chácara. foto 10 foto 11Acima das folhas secas, foram colocadas folhas de margaridão para ofertar nitrogênio ao sistema.  foto 13Após o margaridão,   colocamos carvão e cinza que preparamos com queima eficiente na Toca.  O carvão não é imprescindível mas, com o tempo, seus milhares de microporos são colonizados por microorganismos muito benéficos para a nutrição das plantas. foto 14Sempre que uma camada for acrescentada recomendamos fortemente a irrigação do canteiro. Acima da camada de carvão, regamos uma solução de água com chorume de minhocário que foi importante para inserir os microorganismos que precisamos inocular no carvão. foto 15Por último, é preciso criar uma cobertura com matéria orgânica seca (capim ou folhas) e plantar.  Para aproveitar o espaço, fizemos um canteiro em formato de estrela no meio da mandala. A estrutura que você vê no centro foi montada para inserção de um painel solar. foto 16O painel está ligado em uma bomba 12 volts que colocamos dentro do tanque.  A ela ligamos um timer.  No canteiro, instalamos mangueiras de gotejamento de meia polegada.  Todos os dias às 11h da manhã a irrigação é automaticamente ligada com uso da energia do sol.

Horta mandala

Vista de cima da mandala pronta com o painel solar instalado.

Abaixo o canteiro já com três anos de cultivo.  Essa experiência nos surpreendeu positivamente de muitas formas.  O mamoeiro da foto foi um das surpresas! Ele nasceu espontaneamente e está produzindo com menos de 40 cm de substrato.

mandalaSe quiser mais informações, deixe seu comentário.  Teremos prazer em responder!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *